Monographs Details: Metzgeria liebmanniana Lindenb. & Gottsche
Authority: Costa, Denise P. da. 2008. Metzgeriaceae (Hepaticae). Fl. Neotrop. Monogr. 102: 1-169. (Published by NYBG Press)
Family:Metzgeriaceae
Description:Species Description - Gametófito mediano a robusto, verde-amarelado, Castanho a castanho-avermelhado quando seco, l,0-2,8(-3,0) mm larg. Ramos adventícios ventrais raros. Talo piano a subplano, ondulado, dicotomicamente ramificado, dicotomias irregulares, ápice obtuso, sem papilas mucilaginíferas. Em seção transversal lâmina uniestratificada, 29-55 células larg. da costa a margem, células medianas a grandes, mamilosas, paredes delgadas a ligeiramente espessadas; trigônios pequenos a bem desenvolvidos, cutícula lisa, 30-60 × 24-50 µm; costa arqueada para ambos os lados, 4—6 fileiras de células epidérmicas dorsais, e 5-8 ventrais; células medulares ligeiramente a fortemente distintas das epidérmicas; medula com 28-30 células, 5-6 camadas, células de parede ligeira a fortemente espessadas. Talo uniforme a densamente hirsuto, rizóides medianos a grandes, eretos, flexuosos, falcados a fortemente falcados, dispostos na margem, superficie ventral da lamina e da costa, na margem uniformes a densos (500 µm= 14-32 rizóides), 1—2(—3) rizóides por célula, 80-175 µm. Talo masculino menor que o feminino, lâmina 20-45 células, costa (3-)4-5(-6) fileiras dorsais e (4-)5-7(-8) ventrais. Gemas ocasionais, originadas na superficie dorsal do talo, discóides a liguladas, planas, rizóides curtos, eretos ou flexuosos (7-10 células larg.). Dióico. Ramo masculino globoso a subgloboso, rizóides eretos, dispostos na superfície externa. Invólucro feminino largo-conchiforme, com entalhe apical, hirsuto, rizóides eretos a falcados, na margem e superfície externa, 0,6-1,1 mm. Apresenta desenvolvimento externo do invólucro feminino em talo vegetativo. Caliptra carnosa, claviforme a obpiriforme, hirsuta, rizóides eretos, na superfície externa, 0,6-2,0 mm compr., seção transversal 4-5 camadas de células. Seta grande, 2,5-3,5 mm compr., seção transversal 24-54 células, 21-26 corticiais, 21-28 medulares, 7-9 diâm., células medulares de paredes espessadas, trigônios conspícuos, regularmente arranjadas. Cápsula globosa, valvas longas, espessamentos nodulosos conspícuos na parede externa (Tipo-3), com expansões tangenciais, espessamentos semianulares conspícuos na parede interna (Tipo-3). Elatóforos nos apices das valvas. Elatérios medianos a grandes, castanho-avermelhados, 250-600 µm compr. Esporos medianos, castanho-avermelhados, granulosos, 25-37 µm diâm.

Discussion:O epíteto liebmanniana homenageia Frederik Michael Liebmann (1813-1856), botânico Dinamarquês, que coletou a espécie no Mexico entre 1841-43.

Kuwahara (1976a), considera a presença de muitos rizóides na superfície ventral da lâmina uma característica taxonômica importante ao nível específico dentro de Metzgeriaceae. Nos exemplares analisados os rizóides podem ou não estar presentes na superfície ventral da lâmina, e quando presentes, estão relacionados com a fixação da planta, variando com o substrato. Entretanto, para aquelas espécies densamente hirsutas na superfície ventral da lâmina, como M. liebmanniana, esta é uma característica constante, considerada importante taxonômicamente, se mantendo estável indiferente ao tipo de substrato utilizado pela planta.

Foi uma opção não realizar a lectotificação dos sintipos, Liebmann 167, 165b, porque ambos estão na mesma exsicata e são complementares.

Em diversos materials examinados, o gametófito apresentou extensas regiões da margem sem rizóides, bem como, a predominância de um rizóide por célula.

Dentre as espécies estudadas se assemelha a M. dichotoma, M. lechleri e M. psilocraspeda, diferindo pelas características apresentadas a seguir. Metzgeria dichotoma apresenta lâmina ligeiramente menor, formada por 22-30 células larg.; dimorfismo sexual ausente, ou seja, talo masculino igual ao feminino; gemas discóides a reniformes, planas, e simétricas. Em relação a M. lecheri, esta é a mais semelhante, diferindo pela lamina menor, com 15-29(-33) células larg.; medula com 10-24(-34) células, em 3-5(-6) camadas; rizóides da margem dispostos esparsamente (500 µm=5-15 rizóides), 1 por célula, ocasionalmente 2; ramo masculino sem rizóides; invólucro feminino cordado. E finalmente, M. psilocraspeda apresenta talo de dois tipos, atenuado e não atenuado; lâmina menor, com 16-30 células larg.; medula com 15-22 células, em 3-4 camadas; na margem somente 1 rizóide por célula; gemas liguladas, elípticas e planas.

Segundo Costa (1999), no Brasil esta espécie apresenta distribuição restrita aos picos de altitude mediana a elevada (acima de 600 m) da Mata Atlântica, sendo considerada como vulnerável (VU) no território brasileiro, pela restrição ao ecossistema Mata Atlântica, que sofre um processo crescente de degradação; por ocorrer em altitude mediana a elevada nas serras do nordeste, sudeste e sul e ser con-hecida para quatro localidades, das quais duas estão protegidas por unidades de conservação, como o Parque Nacional do Caparaó e Ilha de São Sebastião.
Distribution:Veracruz Mexico North America| Oaxaca Mexico North America| Totonicapán Guatemala Central America| Intibucá Honduras Central America| Cartago Costa Rica Central America| San José Costa Rica Central America| Chiriquí Panamá Central America| Boyacá Colombia South America| Cundinamarca Colombia South America| Meta Colombia South America| Tolima Colombia South America| Mérida Venezuela South America| Carchi Ecuador South America| Pichincha Ecuador South America| Apurímac Peru South America| Ayacucho Peru South America| Huánuco Peru South America| Junín Peru South America| San Martín Peru South America| Espirito Santo Brazil South America| Minas Gerais Brazil South America| Pernambuco Brazil South America| Rio Grande do Sul Brazil South America| Rio de Janeiro Brazil South America| São Paulo Brazil South America| Cochabamba Bolivia South America| Santa Cruz Bolivia South America| Bocas del Toro Panamá Central America|